terça-feira, março 21, 2017

Arvoreser


do menino
de cuja cabeça
brotam árvores
quando lê
não sei muito:

mas sei que livros
são feitos de árvores mortas
cuja vida reaparece
quando as palavras brotam
em suas folhas

sei que folhas
são comuns
a árvores e livros
e que falhas
são comuns
a homens livres

do menino
de cujos livros
brotam cabeças leves
quando escreve
sei este algo:

a vida é o jogo
entre plantar e colher
e em cada folha solta
estão árvores-livros
em silencioso alvoroço.

6 comentários:

martha jares disse...

quanta beleza nas tuas palavras, adoro admirá-las!

Andréa Flores disse...

Tantas vidas, tantas folhas, rascunho, rabisco, traço. Abro os livros do menino: quanta palavra voa, livre, travessa. O texto ri. O menino é poesia.

Rosana Carvalho disse...

Que lindo, Renato!

Renato Torres disse...

querida Rosana,

saudades de ti, e da tua alegria sincera... que bom que podes me visitar por aqui! =)

beijos,

r

Renato Torres disse...

Andréa,

tuas palavras-carinho me enaltecem e me sublimam... és a namorada lírica das imaginações no teatro da vida. te amo por tudo...

beijos,

r

Renato Torres disse...

Martha,

e eu amo saber que me lês... que honra!

saudades sempre...

beijos,

r

Quem sou eu

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Renato Torres (Belém-Pa. 02/05/1972) - Cantor, compositor, poeta, instrumentista, arranjador, diretor e produtor musical. Formou diversas bandas, entre elas a Clepsidra. Já trabalhou com diversos artistas paraenses em palco e estúdio. Cria trilhas sonoras para teatro e cinema. Tem poemas publicados nas coletâneas Verbos Caninos (2006), Antologia Cromos vol. 1 (2008), revista Pitomba (2012), Antologia Poesia do Brasil vol. 15 e 17 (Grafite, 2012). Escreve o blog A Página Branca (http://apaginabranca.blogspot.com/). Em 2014 faz sua estreia em livro, Perifeérico (Verve, 2014), inicia a produção do CD Vida é Sonho, quando inaugura o Guamundo Home Studio, seu estúdio caseiro de gravação e produção musical, onde passa a trabalhar com uma nova leva de artistas da cidade.