sexta-feira, novembro 04, 2005

3 fragmentos

Revirar cadernos antigos é, para mim, catártico. Sempre acabo me deparando com eus que deixei espalhados e dispersos, empoeirados e até mesmo de castigo por tempo indeterminado. Eis aqui três fragmentos de poemas, certamente inacabados, de todo modo acabados a seu próprio modo... perdidos numa agenda de 2002, à mercê do acaso, e da minha paciência, renovada após alguns anos de espera, e mudanças pontuais. Não têm encaixe, não esperam nada. Não são senão brinquedos quebrados. Sempre amei meus brinquedos quebrados.

: : 1 : :

explode a lua negra em meio a bela noite
estrelas se tornam açoites infinitos
e as palavras, num vocabulário aflito
colidem, espatifando-se em coices
enumero as palavras em gênero e grau
até que surja a frase fatal em presença
ajoelho-as em reza e penitência
diante das flores em meu quintal.


: : 2 : :

dia chuvoso – delícia ociosa
rosa seio vulcão pedra
andrajo mineral, menina cedra
palavras amadeiradas, leitosas
via-láctea em teu ventre-leito
literatura táctil, pétalas do peito
retalhos da seda na pele, e na sede
engulo teu sumo que a lua mede
noite estrelada – novelos celestes



: : 3 : :


peço a mim mesmo: tenha alma
calma que o novo já está
agora é como a palma da mão
conheces no instante em que dizes: já

peço a mim mesmo: pra ciência
fica com os olhos atentos
incidente é como caixa de presente
apresenta o futuro acontecimento

9 comentários:

ELAINEMALMAL disse...

o terceiro...quero o resto...

bijo
malmal

Vital Lima disse...

Belos fragmentos, parceiro, os três, e concordo que talvez o terceiro esteja implorando uma continuação. O primeiro, que coisa mais linda e delicada sobre o eclodir do verso que buscamos... e bem musical. Ei, muito carinho com essas tuas agendas, hehe.

ana flavia mendes disse...

humm... quem disse q os brinquedos quebrados não são os mais deliciosos d se brincar?

beijos e saudades,

flávia

Lívia Condurú disse...

Também... adoro os meus brinquedos quebrados, que por vezes esbarro em minhacaixa de lembranças... lembrança, é de fato, o que me resta detais cacos e pedaços...

Beijos meu querido.
Irei linká-lo ao meu blogger...

Luísa Mota disse...

Querido Renato,

Aqui tens uma belíssima cascata de pedaços de ti...extractos ou parte de um todo, que devolvem inteireza á tua caminhada.

1 Bj*
Luísa

Sílvia Paiva disse...

Renato
Adorei.

Dedique tempo e carinho aos brinquedos quebrados

Beijos

Fascinada pelo Instante disse...

Gostei tanto que te linkei no meu humilde espaço, o que é raro.

Te conheço. Não, não te conheço. Te vejo. Não sabia que além de um puta músico, eras esse putíssimo poeta. Bom saber.

Toma um beijo.

Fascinada pelo Instante disse...

www.fascinadapeloinstante.blogspot.com

ClariAna disse...

É sempre um grande prazer ler-te!
Abraço!

Quem sou eu

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Renato Torres (Belém-Pa. 02/05/1972) - Cantor, compositor, poeta, instrumentista, arranjador, diretor e produtor musical. Formou diversas bandas, entre elas a Clepsidra. Já trabalhou com diversos artistas paraenses em palco e estúdio. Cria trilhas sonoras para teatro e cinema. Tem poemas publicados nas coletâneas Verbos Caninos (2006), Antologia Cromos vol. 1 (2008), revista Pitomba (2012), Antologia Poesia do Brasil vol. 15 e 17 (Grafite, 2012). Escreve o blog A Página Branca (http://apaginabranca.blogspot.com/). Em 2014 faz sua estreia em livro, Perifeérico (Verve, 2014), inicia a produção do CD Vida é Sonho, quando inaugura o Guamundo Home Studio, seu estúdio caseiro de gravação e produção musical, onde passa a trabalhar com uma nova leva de artistas da cidade.