domingo, dezembro 18, 2005

memória

Alguma brancura, como o quer o tempo de silenciar... e depois, poesia sobre o som reminiscente. Ir ao encontro do futuro, mas sem beber da água obliterante. Poema que virou crisálida canção num quarto de hotel, em Colares. Se queres ouvir, espera.

espera - não faças nada
ouve primeiro o rumor
põe teu dedo úmido ao vento
vê brandir a direção

espera - sossega a faca
compreende a mordaça
risca a linha futura
solta teus medos ao rumo

espera - não leves sombra
passa mudo e sem rastro
doma tua dor altivo
arma teu teto breve

espera - guarda teus planos
centra tua baliza tonta
conta com o chamado distante
cobre os olhos de memória.

5 comentários:

Fernanda Rodrigues disse...

Belíssimo!
Te abraço.

nathasha ribeiro disse...

....
estou passando pra deixar um beijao e dizer que estou com muitas saudades!
espero que possa continuar desfrutando de tua companhia por muito tempo, e, que a minha seja uma alegria pra ti como a tua é pra mim...
e alem disso espero voltar a trabalhar contigo e com o junior que é uma coisa que me deixa muito alegre, satisfeita e feliz por ter pessoas tao especiais em minha vida. lindo texto saudades...

"eu espero"

Clariana disse...

Oi Renato!
passando aqui para apreciar seus escritos que sempre me inspiram tanto!
Um abraço, bom final de ano!

Silvia Paiva disse...

Passei pra te ler...


Beijo grande

MadalenaBarranco disse...

E neste, as emoções se libertam ao vento. Etéreo!
Renato, queria agradecer-lhe o link do meu site em seu maravilhoso blog - também estou colocando seu link no meu setro de links "amigos & literatura". Beijos e muito obrigada, Madalena

Quem sou eu

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Renato Torres (Belém-Pa. 02/05/1972) - Cantor, compositor, poeta, instrumentista, arranjador, diretor e produtor musical. Formou diversas bandas, entre elas a Clepsidra. Já trabalhou com diversos artistas paraenses em palco e estúdio. Cria trilhas sonoras para teatro e cinema. Tem poemas publicados nas coletâneas Verbos Caninos (2006), Antologia Cromos vol. 1 (2008), revista Pitomba (2012), Antologia Poesia do Brasil vol. 15 e 17 (Grafite, 2012). Escreve o blog A Página Branca (http://apaginabranca.blogspot.com/). Em 2014 faz sua estreia em livro, Perifeérico (Verve, 2014), inicia a produção do CD Vida é Sonho, quando inaugura o Guamundo Home Studio, seu estúdio caseiro de gravação e produção musical, onde passa a trabalhar com uma nova leva de artistas da cidade.