quarta-feira, maio 02, 2012

Os mapas viventes


renascer não é um sortilégio de todos os dias
mas de todas as horas
é saber-se orvalhado na flora, e forjar-se arvoredo 
e retornar ao fundo profundo segredo
trazendo de lá a água turmalina,
o âmbar almiscarado de tardes ao vento,
e dos anoiteceres lentos banhados na areia branca
dos lugares onde nunca pisamos
mas que revisitamos, ultrapassados de éter e fleuma
algures fantasmático, hipótese da miragem reincidente
um acidente trêmulo nas mãos do tempo
o festim da intempérie íntima, a nuvem
de um balbucio amoroso.

desse poço que cavaste ao longo das translações,
e da promessa de primaveras
emergirá o balde transbordante da manhã de teus anos
as quarenta elegias clavadas
na bordadura inesperada de muitas gratidões 
a ti, que exististe até agora, persistindo
em humanidades conquistadas
e ao teu duplo, que reparte em muitas outras direções 
os teus mapas viventes, caiados de futuro.

6 comentários:

Lígia Saavedra disse...

Ler seus poemas, Renato, é invadir o prazer que só nos dá a poesia.

Parabéns!

Anônimo disse...

Tuas poesias enobrecem a alma...

Renato Torres disse...

Lígia,

fico feliz com teu prazer!

beijos,

r

Renato Torres disse...

Anônimo,

mesmo sem saber quem és, agradeço a tua nobreza, e o teu gostar...

abraços,

r

Anônimo disse...

Pois é, meu parceiro, ao ler-te ou escutá-lo sempre arvora-me a vontade intensa de apredizagem...

Dentro das palavras que montas frases nos remetendo ao pensar mais aprofundado retrata a tua sede de poesia a tua fome de música.

abraços, parceiro!

Renato gusmão

Renato Torres disse...

meu parceiro Gusmão,

essa vontade, pra mim, é o que nos move à vida, intensa, irreprimível, que há em nós, e ao redor de nós... que bom que é assim! e que seja assim sempre, também de mim pra ti!

abraços,

r

Quem sou eu

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Renato Torres (Belém-Pa. 02/05/1972) - Cantor, compositor, poeta, instrumentista, arranjador, diretor e produtor musical. Formou diversas bandas, entre elas a Clepsidra. Já trabalhou com diversos artistas paraenses em palco e estúdio. Cria trilhas sonoras para teatro e cinema. Tem poemas publicados nas coletâneas Verbos Caninos (2006), Antologia Cromos vol. 1 (2008), revista Pitomba (2012), Antologia Poesia do Brasil vol. 15 e 17 (Grafite, 2012). Escreve o blog A Página Branca (http://apaginabranca.blogspot.com/). Em 2014 faz sua estreia em livro, Perifeérico (Verve, 2014), inicia a produção do CD Vida é Sonho, quando inaugura o Guamundo Home Studio, seu estúdio caseiro de gravação e produção musical, onde passa a trabalhar com uma nova leva de artistas da cidade.