quinta-feira, março 22, 2012

Canto que ama e ondeia



Há muito que me sinto devedor de mais escritos sobre a cidade em que vivo. Há muito que poetas e compositores dedicam obras à Santa Maria de Belém do Grão Pará, mormente exaltando suas belezas naturais, a generosidade e calor humano de seu povo, sua diversidade cultural e culinária únicas. Decerto que não pretendia chover no molhado, e já há algum tempo venho exercitando pequenos escritos sobre aspectos que me afetam desde que vivo aqui, há quase 40 anos. O presente texto, escrito para uma incrível melodia do compositor Floriano Santos, é, sem dúvida, um dos resultados que me deu mais satisfação até agora, por dar conta dessa relação de amor e ódio que temos com a cidade morena - esta mesma que é tratada como uma puta da Riachuelo, não apenas pelos seus governantes, mas muitas vezes, por nós mesmos, seus habitantes.

Canto a minha terra que se enxergará
Nessa guerra santa entre o que será 
E o que fora indício de inocência vã
Canto esse desterro da incerteza cidadã
Meu canto arde em fogueira equatorial
Dança no sonho, gira ciranda,
Tarde, encharca o vento terral.

Canto esta cidade onde cabe um grão 
Morena sangria, na planície a mão 
De um lirismo cego, nesse quarador
Seca sem juízo o lençol sujo desse amor
Os humores da terra, inverno fatal
Baque no peito, pisa na areia
Ergue a saia, sua, serpenteia.

Entre na roda, baila morena
Faz do corpo um vendaval
Pula no fogo, joga os cabelos
Faz dos pelos teu punhal
Me faz querer dessa maneira o teu cheiro,
Tuas ruas, praias nuas, tuas pernas a me desandar

Entre na valsa, ousa num salto
Fala alto o que quiser
Molha a cidade, vaza no rio
Vela, círio, cio, mulher
Me faz morrer no cais da beira, numa feira
Na ribanceira, descendo a ladeira, a noite inteira a febre
Pula a baia, voa, cambaleia.

Canto a minha aldeia, a fazenda, a vau
A vergonha, a lenda, esgoto e canal
Canto que se ondeia, fúria do perau
O subúrbio sonha a ilusão do litoral
Maria, terra e fêmea, flor do grão, fará 
Desse meu canto um novo encontro
Onde a minha voz te incendeia.

8 comentários:

Lígia Saavedra disse...

Um amor assim declarado só nos orgulha saber de ti, Poeta apaixonado.

Parabéns, Renato!

aline disse...

Renato querido, tua poesia é sempre luz para o coração e o a mor com que en / cantas tua e nossa terra natal, decerto envolverá outros tantos olhos e almas. Beijo.

Jorge Anderson disse...

Eu que agradeço pela gentil forma de cantar e encantar a nós todos. continue...vida longa a ti e muito sucesso! Grato pela visita. JORGE ANDERSON.

F. SILVA disse...

Bardoamigo,
lembrei de um poeminha antigo que escrevi quando ainda pensava em ser poeta (quero dizer, quando ainda não era um cínico). Desculpe o prossaísmo e o tom empolado, e espero que goste.

BELÉM (2007)


Teus filhos não te merecem, pequena cidade:
ou desertam ou cuidam mal de ti
e ao crescerem, taludos e fortes,
roubam os escassos anéis.

Os anos me ensinaram a te amar, mãe velha,
(estranho sentimento por concreto e aço)
com uma doçura de caridade.

Não cantarei o rio,
água barrenta e sebosa, a beijar tuas bordas
nem a volúpia da chuva,
que corrói e danifica a fachada das casas.

Mas cantarei a feiura das vielas estreitas,
os arranha-céus de trinta metros,
a solidão na Magalhães Barata,
quando a noite grossa vem e consome
as lâmpadas das travessas.

Cantarei o dia, imaginado ou perdido,
que passei sentado na praça observando
a tua paisagem de pessoas e coisas.

Renato Torres disse...

Lígia,

é um amor/desamor que mais ainda afirma o quanto esta terra me/nos é importante, não? bom saber que me sabes bem!

beijo,

r

Renato Torres disse...

Aline,

a luz é uma consequência reativa à tanta escuridão, penso... que seja assim então a poesia que faço! mas não sem abrigar seus muitos escuros necessários.

um beijo!

r

Renato Torres disse...

Jorge,

agradecidos somos todos, sempre. a dádiva em compartilhar sempre será franqueada a todos os que tiverem disposição.

abraços,

r

Renato Torres disse...

F. Silva,

de fato, seu poema dialoga com o que escrevi, haja vista a dialética presente de amor e ódio por essa cidade em que vivemos. a poesia serve a quem precisa dela, creio, e não a quem queira possuí-la, alcançá-la, como se almeja um cargo numa empresa, ou um título acadêmico. sentir leva tempo.

abraços,

r

Quem sou eu

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Renato Torres (Belém-Pa. 02/05/1972) - Cantor, compositor, poeta, instrumentista, arranjador, diretor e produtor musical. Formou diversas bandas, entre elas a Clepsidra. Já trabalhou com diversos artistas paraenses em palco e estúdio. Cria trilhas sonoras para teatro e cinema. Tem poemas publicados nas coletâneas Verbos Caninos (2006), Antologia Cromos vol. 1 (2008), revista Pitomba (2012), Antologia Poesia do Brasil vol. 15 e 17 (Grafite, 2012). Escreve o blog A Página Branca (http://apaginabranca.blogspot.com/). Em 2014 faz sua estreia em livro, Perifeérico (Verve, 2014), inicia a produção do CD Vida é Sonho, quando inaugura o Guamundo Home Studio, seu estúdio caseiro de gravação e produção musical, onde passa a trabalhar com uma nova leva de artistas da cidade.