quinta-feira, setembro 27, 2007

Tempo Maduro

Neste estranho hiato de postagens aqui na Página Branca, recebi diversas vezes os questionamentos inevitáveis: por quê? Talvez para reiterar a metáfora óbvia do silêncio em relação à este branco sítio? Nada disso. O fato é que alimentei esperanças que não se cumpriram, naturalmente, e que me acomodaram neste silêncio de tantos meses. Contudo, e percebendo o grande interesse que este blog desprovido de atrativos visuais (não consigo nem ao menos carregar uma foto minha, creiam) desperta em alguns seres, resolvi voltar a publicar meus textos aqui (venho publicando periodicamente no Overmundo), e começo com um texto que pouco foi lido por lá, sequer chegou a ser publicado no banco de cultura - consta apenas em meus arquivos. Espero que os antigos e novos visitantes o apreciem. É bom estar de volta.

Tempo maduro

ouço rumores que soçobram pela tarde
vapores da arte queimando-me os olhos
e os tantos embrulhos da realidade
a que não me cabe naquilo que escolho.

desenho em suores meu esforço caçador
vagido ordenado em canções que detenho
esbaforidas e renitentes como um tremor
do animal sem freio, do urro tamanho.

cobre a ti mesmo de célere espera,
e verás, varrer a terra, o inesperado
residindo na máquina, no músculo, na têmpera
os ardis do pensamento não invocado.

a mão do que entendo não colhe
esta água turva que avassala e afoga
e obriga ao tempo maduro que tolhe
o impulso secreto do que não se joga.

ensaio este salto no palco intranquilo,
rescaldo de sonho queimando na testa.
volto à longitude esguia, e vacilo
entre o que viceja, e o que detesta.

19 comentários:

Eduarda Petry disse...

Que bom que regressaste a esta casinha!!

Me sinto tão pequenina diante da tua madura poesia que nem sei mais o que sou.

"É tempo maduro,
É hora de voltar
Para casa."

Beijos.

Eduarda Petry

brigitte disse...

O regresso sinaliza abertura ao novo,um renascer.
Vivas ao seu regresso!

Abração
Brigitte

Fábio Cavalcante disse...

Que bom! Sempre lia a página branca! É ótima, que os teus textos são muito bons!
Um blog que curto muito à ativa! Pai-dégua!

Abrações, Renato

Letícia Ludwig Möller disse...

Bom retorno, Renato,

e que bela poesia.
Sabes bem (espero que sim) o quão pouco importa a votação no Overmundo. Muito e' questão dos contatos que se tem e de convidar-se a ler e votar. No ultimo texto que postei, não avisei ninguem, `a exceção de 2 ou 3 pessoas que manifestaram a falta dos meus textos ou pediram para serem avisadas. Tive os votos necessarios, mas poderia nao ter tido: para mim pouco importa a quantidade, mas o carinho e a sinceridade da presença.
Um grande abraço,
e siga escrevendo e musicando (aqui e la'...).

Renato Torres disse...

oi eduarda,

como já disse, muito desse regresso devo a ti, à tua insistência. pelo que escreves neste hai cai ao fim, não pareces tão perdida assim. pelo menos sabes pra onde voltar, né? sigamos na busca.

beijo,

r

Renato Torres disse...

olá brigitte,

sim, sempre esta reafirmação do que meu nome anuncia. agradeço teus vivas, e distribuo resmas de páginas, brancas...

beijo,

r

Renato Torres disse...

mano fábio,

sem dúvida que experiências como as que temos vez por outra no artesanato alimentam muito o que vai por aqui... e vice-versa! sim, é bom pra mim também receber sempre os grandes amigos como és na minha casa de palavra.

abração!

r

Renato Torres disse...

letícia,

sim, sei bem o motor que move o overmundo. também fiz uma experiência semelhante com meu último texto, mas acabei convidando as pessoas a lerem quando entrou em votação (apenas duas compareceram sem convite à edição). não importa. entre muitos sempre encontraremos com quem trocar coisas bacanas. obrigado por vir!

beijo,

r

Pessoa Comun disse...

ah! Quanta saudade de sua palavras, que trazem malmal de volta a essa alma quase perdida...

meu Tempo tb...

te beijo

Letícia Ludwig Möller disse...

Renato,

eu nao cheguei a receber nenhum comentario seu em meu blog. O comentario que eu havia excluido era da Rita Costa, tambem do Overmundo, que trocara meu nome por confusao. Avisei-a e recebi uma nova mensagem...
Acabei de te responder sobre isso la no meu blog.
Conto com um novo comentario teu, o qual vou certamente adorar receber.
Um abraço,
Leticia.

sílvia Paiva disse...

meu anjo da janela
Saudades imensas...
Delicioso retorno

Beijos

Sílvia Paiva

Renato Torres disse...

alma,

saudades dessa troca... que bom poder receber tua visita sempre.

beijos,

r

Renato Torres disse...

letícia,

esclarecido o mal entendido, já comentei lá no seu blog.

um beijo,

r

Renato Torres disse...

sílvia,

minha querida... como estás? saudades também. precisamos abrir de novo essa janela pra bater um papo.

beijos,

r

Ana Laforga disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ana Laforga disse...

Renato, passo agora por esse periodo de aguas mais mornas, mas, estou bem com isso. Faz parte do movimento da vida, eu acho... gostei do poema, so para variar,
bjs
aninha laforga

Marcelo Marat disse...

Enfim, espantou a preguiça, hem? E voltou bem, com um discreto desabafo: "e vacilo, entre o que viceja e o que detesta." Ah, esse existencialismo sartreano que não nos abandona... O que fará a cabeça do século 21?
Abraços e sucesso sempre!

Renato Torres disse...

aninha,

sim, creio que as entressafras são necessárias, e não significam estagnação, como muitos pensam. continuamos a produzir num outro nível extremamanete importante: o da vida cotidiana. tão bom receber sua visita! apareça sempre...

beijos,

r

Renato Torres disse...

marat,

pois é, menino... acredito que o existencialismo impera porque sartre foi muito além do que acreditávamos quando postulou suas idéias. essa esquizofrenia que se aprofunda com os dias que correm 9e tudo o mais que corre alucinadamente) é o que mede o tamanho de nosso problema de sempre: existir em face do mundo (na fala de drummond).

abraços,

r

Quem sou eu

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Renato Torres (Belém-Pa. 02/05/1972) - Cantor, compositor, poeta, instrumentista, arranjador, diretor e produtor musical. Formou diversas bandas, entre elas a Clepsidra. Já trabalhou com diversos artistas paraenses em palco e estúdio. Cria trilhas sonoras para teatro e cinema. Tem poemas publicados nas coletâneas Verbos Caninos (2006), Antologia Cromos vol. 1 (2008), revista Pitomba (2012), Antologia Poesia do Brasil vol. 15 e 17 (Grafite, 2012). Escreve o blog A Página Branca (http://apaginabranca.blogspot.com/). Em 2014 faz sua estreia em livro, Perifeérico (Verve, 2014), inicia a produção do CD Vida é Sonho, quando inaugura o Guamundo Home Studio, seu estúdio caseiro de gravação e produção musical, onde passa a trabalhar com uma nova leva de artistas da cidade.