terça-feira, abril 29, 2008

Queridos Amigos

meus queridos amigos, abrigos no éter do tempo,
amados cavaleiros das cruzadas primeiras,
onde estais vós, companheiros na rua da infância,
vozes no pátio vazio, célebres e ruidosos vadios?

vai longe a louca viagem, a bagagem sonolenta,
o destino sorteado no baralho.
evoco suas presenças docemente...

ergamos taças cheias do vinho consternado,
da lição derradeira, da invencível fagulha do perigo
– da vida, queridos e bravos amigos,
que nos abandona à deriva, mas que, viva,
nos torna feliz memória, história florida na mão,
paixão da sangria incontida.

31 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Tere Tavares disse...

Renato,
Vida, esta e tantas, em melodias amigas- ressoa em voz que não refuta o chamado, a chama que continuará. Bom ver-te.
Beijos
Tere Tavares

Coisa-negócio disse...

adorei!....só penso em músicar seus poemas...hauhauahauha......é inevitável....parece que eles me pedem: "me musique, me musique..."...mas, não me atreveria!....bj
Leemax.

Coisa-negócio disse...

ha, te coloquei nos meus favoritos do Coisa-negócio.... + bj

Ghys disse...

Gratidão.
Fez-me lembrar... recordar... tornar a passar pelo coração, como disse um outro grande poeta.
Gratidão.

Anônimo disse...

perdi a capacidade de falar assim, poeticamente, mas continuo a sobreviver... tuas palavras me emocionam, me encantam e me fazem lembrar de coisas boas que já tive na minha vida...
beijos

Anônimo disse...

amigo renato,
oh bagagem de memorias que as vozes sempre nos rememtem heim?

assinado lélia

[q tu sabes q tem uma parte da Lidia Basile hehe]

beijos Re

Lídia Basile disse...

Hey renato essas bagagens sonolentas e sons que fazemos por ai e as memorias do amigos que fazem ecos heim?

Renato Torres disse...

tere,

sempre presente! es um presente que os anos me darão, ainda em não-lugares, futuramente em sitios largos de amizade.

beijo,

r

Cintia Thome disse...

Passei para te ver e ler teus brilhantes versos, ofuscam olhos, mas me iluina. Sempre sublime....ab

Luísa Ribas disse...

Querido poetAmigo!

Recolho cada palavra, emocionada á tua produção!
Cantas os laços cordiais, louvas palavra: amizade!

E já somos amigos há tanto tempo, dos "não-lugares".

(Sabes que vou ser mãe pela segunda vez? Estou feliz!)

1 Bj*
Luísa

Anônimo disse...

Renato,
é sempre um prazer ler-te.

Abraço,

ClariANA

Palo disse...

É etéreo. Térreo e desterro de amigo.

André de Aviz disse...

Renato:companheiro

te ler é jantar fora...

é emprestar seu rosto para dividir as lagrimas...

o fraternal abraço
André

Renato Torres disse...

dé,

pois deverias te atrever, mais e mais. e sem vergonha, cantares ainda o que surgir, em público. meus poemas, sabes, eles pedem muito, pedem o tempo todo, de tudo: comida, cafuné, moedinhas, migalhas, patrocínios, desculpas, perdão, dias de sol. grato por conectares a página branca à coisa-negócio...

beijão!

r

paulo vieira disse...

cocou poeta,


tou a passeio na branca
adorei as fotos)
na volta o mijo,
sem dúvida.



beijos,


paulo

Claudia Nascimento disse...

Renatinho
Adoro os teus textos!! Esse então tá de uma delicadeza...
Um grande beijo n'alma

Renato Torres disse...

ghys,

essa fala do manoel de barros é realmente oportuna: é preciso recordar. me colocares como "um outro grande poeta" me deixa envaidecido, menina1... obrigado.

beijo,

r

Renato Torres disse...

é sempre emocionante poder dizer... nunca deveríamos perder a paixão de dizer, ou seremos menos humanos... mas é terrível tentar dizer isso pra alguém que não sei quem é! rsrs... comentários anônimos deveriam, também, trazer um nome ao final, né?

mas valeu, de todo modo. abraços!

r

Renato Torres disse...

lídia (ou lélia...)

as bagagens são fundamentais pra gente viajar na vida, né? de outro modo, estaríamos inaptos a perceber a beleza de tudo o que é transitório.

beijos, e obrigado por vir!

r

Renato Torres disse...

cíntia,

trazes também a tua luz, que não é pouca. a página é branca, e está na tela brilhante, portanto... já ajuda bastante! :)

venha sempre... beijos,

r

Renato Torres disse...

senhora lua,

és, aliás, uma das minhas amigas mais especiais daqui do não-lugar. como esquecer de momentos ímpares já vividos através da fria maquinaria? é realmente impressionante o poder de um sentimento sincero... obrigado por tudo! estás numa categoria especial dos "queridos amigos".

beijos,

r

ps: parabéns pela nova maternidade, e pela união com o ribas!

Renato Torres disse...

clariana,

é sempre um prazer receber-te nesta casa de palavra...

beijo,

r

Renato Torres disse...

pássara,

quem melhor que tu pra falar de qualidades terrenas e etéreas? visitas estes ambientes freqüentemente, e com destreza. o desterro, deixemo-lo ao destino que nos torna, por ora, amigos distantes... mas sempre conectados.

beijos,

r

Renato Torres disse...

andré,

um grande prazer receber sua visita, e com tão delicado comentário. que o cardápio seja leve, de sabor inesquecível, como as grandes amizades.

abraços,

r

Renato Torres disse...

paulo,

ansioso pelo novo pai-poeta que virá. sempre linda tua passagem pela página branca.

abraços,

r

Renato Torres disse...

claudinha,

que bom que gostas, e vens visitar este sítio. a delicadeza prevalecerá, apesar de tanta barbaridade.

beijos,

r

Adroaldo Bauer disse...

Querido amigo Renato,
Queridos amigos é o que mais nos falta quanda vida prega peças.
grato por teu chamado até aqui.
um abraço.

Renato Torres disse...

mano adroaldo,

sim, é justamente pela distância que me separa dos meus queridos amigos que surgiu este texto! por vezes, uma distância não necessariamente geográfica... mas sempre dolorosa, sempre contundente.

eu é que agradeço por teres acedido ao meu chamado!

abraços, irmão!

r

Benny Franklin disse...

Grande, Renato!
Canto de amizade. Merece aplausos!
Abçs

Renato Torres disse...

benny,

a amizade é o primeiro nom e do amor, o mais nobre. deve sempre ser louvada...

abraços!

r

Quem sou eu

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Renato Torres (Belém-Pa. 02/05/1972) - Cantor, compositor, poeta, instrumentista, arranjador, diretor e produtor musical. Formou diversas bandas, entre elas a Clepsidra. Já trabalhou com diversos artistas paraenses em palco e estúdio. Cria trilhas sonoras para teatro e cinema. Tem poemas publicados nas coletâneas Verbos Caninos (2006), Antologia Cromos vol. 1 (2008), revista Pitomba (2012), Antologia Poesia do Brasil vol. 15 e 17 (Grafite, 2012). Escreve o blog A Página Branca (http://apaginabranca.blogspot.com/). Em 2014 faz sua estreia em livro, Perifeérico (Verve, 2014), inicia a produção do CD Vida é Sonho, quando inaugura o Guamundo Home Studio, seu estúdio caseiro de gravação e produção musical, onde passa a trabalhar com uma nova leva de artistas da cidade.